string(65) "

Artigos

Ribeira Boêmia faz novo tributo ao Fundo de Quintal

Mais uma dupla homenagem vem por aí: ao Grupo Fundo de Quintal e ao compositor e violonista Cleber Augusto, um dos fundadores do Movimento Cacique de Ramos e ex-integrante do Fundo de Quintal. Este será o tom da próxima edição do Projeto Cultural Ribeira Boêmia, repetindo o sucesso de 2016, que acontece no próximo dia 25.03, a partir das 18h, no belo Solar Bela Vista, a nova casa do Projeto Cultural Ribeira Boêmia, no centro histórico de Natal, coladinho na Ribeira. O evento terá ainda a presença do sambista potiguar, hoje radicado no Rio de Janeiro, André da Mata.

A tradicional roda de samba do Ribeira Boêmia tem ainda uma escalação de peso de sambistas potiguares, com a participação de Berthone Oliveira, Matheus Magalhães e Everaldo Rodrigues. Abrindo a noite, nada menos do que o Samba Preto no Branco. E, como sempre, a condução de tudo será da roda oficial do Projeto, composta por Leonardo Galvão (cavaquinho); Anchieta Menezes (violão 7 cordas); Bruno César (sopros); Daniela Fernandes (voz); Rogério Madureira (voz e pandeiro); Ayrton Neto (voz e percussão); e Rafael Prada, Flaubert Benício e Alfredo Carvalho (percussão e efeitos gerais); e ainda a especial presença de Vinícius Assunção, do grupo Clave de Si (banjo).

“A contribuição que o Fundo de Quintal deu ao samba é indiscutível. Foi um grupo emblemático para toda uma geração de sambistas, como Jorge Aragão, Zeca Pagodinho, Arlindo Cruz, Almir Guineto, Sombrinha, entre outros, levando para o estúdio a música que era produzida no Cacique de Ramos. Além disso, introduziu novos instrumentos, como o tantã, o repique de mão e o banjo. Sem falar no papel fundamental que teve na formação de muitos sambistas potiguares”, afirma Leonardo Galvão, um dos idealizadores e produtores do Ribeira Boêmia, que lembra ainda que “Cleber Augusto foi integrante e contribuiu muito com a banda com a composição de grandes clássicos, como ‘A amizade’, ‘Lucidez’ e ‘Seja sambista também’“.

O Projeto contará, nessa edição especial, com o patrocínio da Prefeitura do Natal – Programa Djalma Maranhão, Unimed RN, Potiguar Turismo e Casa de Saúde São Lucas, além da parceria com Solar Bela Vista, nova casa do Ribeira Boêmia, e dos importantes apoios culturais, que viabilizam sua manutenção, como Sistema Fecomércio RN – SESC; Sistema FIERN – SESI, ART&C Comunicação Integrada; Universitária FM; ABIH RN; OAB RN – Caixa de Assistência aos Advogados; Le Postiche; IndetFix; e Neutron.

Sobre Cleber Augusto

O compositor e violonista Cleber Augusto nasceu no Rio de Janeiro, foi criado em Ramos e é nacionalmente conhecido como a “Voz calada do samba”. Iniciou sua carreira na década de 70, influenciado, já em sua adolescência, por grandes músicos e artistas, como Manuel da Conceição, Baden Powel e João Bosco. Atraído então por ritmos genuinamente brasileiros, foi convidado a ser músico de uma dupla da Jovem Guarda, Leno e Lilian.

Foi um dos fundadores do movimento Cacique de Ramos e lá se lançou como compositor. Como integrante do grupo carioca Fundo de Quintal, participou de gravações de discos e apresentações em inúmeros shows, compondo vários sucessos, que hoje são cantados por ícones da música brasileira, como “A amizade”, “O show tem que continuar”, “Lucidez”, dentre muitos outros.

Sobre André da Mata

O cantor, compositor e instrumentista André da Mata, hoje radicado no Rio de Janeiro, nasceu em Natal e foi criado em Mossoró. Encantou-se desde muito cedo pelo samba de raiz e fez dele a sua vida. Idealizou e durante 10 anos esteve à frente do Grupo Musical Samba Nobre, que tinha como objetivo fortalecer o movimento do samba pelo Nordeste. Finalista do maior festival de compositores do Brasil em 2013, o São Paulo Exposamba, André da Mata escolheu o Rio de Janeiro como morada, em busca da realização dos seus sonhos.

No final de 2015 gravou seu primeiro CD, apresentando 14 faixas, sendo 13 canções autorais e em parcerias. O trabalho teve a participação de artistas reconhecidos no cenário carioca e nacional, como Ronaldinho “Fundo de Quintal”, Marcelinho Moreira, Mingo Silva, Moyseis Marques e Maria Menezes. André da Mata fez o lançamento do seu CD no Carioca da Gema, Rio de Janeiro, em 2016.

Serviço:

O quê? Tributo ao Fundo de Quintal do Ribeira Boêmia

Quando? Sábado, 25 de março de 2017, a partir das 18h.

Onde? Solar Bela Vista – Rua São Tomé – Centro Histórico de Natal (vizinho ao Senac Centro).

Quanto*? Ingressos antecipados a preços promocionais (meia entrada para todos) de R$20,00.

Vendas antecipadas de ingressos: Le Postiche (Midway Mall e Natal Shopping – 2º piso)

Contatos para entrevistas:

Laumir Barrêto – 84 99953-0417 Leonardo Galvão – 84 99634-7999

(*) As mesas serão disponibilizadas gratuitamente, em número limitado, por ordem de chegada no dia do evento.

"

FIERN | SESI | SENAI | IEL

Portuguese Chinese (Simplified) English French German Italian Japanese Korean Russian Spanish

Artigos

Ribeira Boêmia faz novo tributo ao Fundo de Quintal

Mais uma dupla homenagem vem por aí: ao Grupo Fundo de Quintal e ao compositor e violonista Cleber Augusto, um dos fundadores do Movimento Cacique de Ramos e ex-integrante do Fundo de Quintal. Este será o tom da próxima edição do Projeto Cultural Ribeira Boêmia, repetindo o sucesso de 2016, que acontece no próximo dia 25.03, a partir das 18h, no belo Solar Bela Vista, a nova casa do Projeto Cultural Ribeira Boêmia, no centro histórico de Natal, coladinho na Ribeira. O evento terá ainda a presença do sambista potiguar, hoje radicado no Rio de Janeiro, André da Mata.

A tradicional roda de samba do Ribeira Boêmia tem ainda uma escalação de peso de sambistas potiguares, com a participação de Berthone Oliveira, Matheus Magalhães e Everaldo Rodrigues. Abrindo a noite, nada menos do que o Samba Preto no Branco. E, como sempre, a condução de tudo será da roda oficial do Projeto, composta por Leonardo Galvão (cavaquinho); Anchieta Menezes (violão 7 cordas); Bruno César (sopros); Daniela Fernandes (voz); Rogério Madureira (voz e pandeiro); Ayrton Neto (voz e percussão); e Rafael Prada, Flaubert Benício e Alfredo Carvalho (percussão e efeitos gerais); e ainda a especial presença de Vinícius Assunção, do grupo Clave de Si (banjo).

“A contribuição que o Fundo de Quintal deu ao samba é indiscutível. Foi um grupo emblemático para toda uma geração de sambistas, como Jorge Aragão, Zeca Pagodinho, Arlindo Cruz, Almir Guineto, Sombrinha, entre outros, levando para o estúdio a música que era produzida no Cacique de Ramos. Além disso, introduziu novos instrumentos, como o tantã, o repique de mão e o banjo. Sem falar no papel fundamental que teve na formação de muitos sambistas potiguares”, afirma Leonardo Galvão, um dos idealizadores e produtores do Ribeira Boêmia, que lembra ainda que “Cleber Augusto foi integrante e contribuiu muito com a banda com a composição de grandes clássicos, como ‘A amizade’, ‘Lucidez’ e ‘Seja sambista também’“.

O Projeto contará, nessa edição especial, com o patrocínio da Prefeitura do Natal – Programa Djalma Maranhão, Unimed RN, Potiguar Turismo e Casa de Saúde São Lucas, além da parceria com Solar Bela Vista, nova casa do Ribeira Boêmia, e dos importantes apoios culturais, que viabilizam sua manutenção, como Sistema Fecomércio RN – SESC; Sistema FIERN – SESI, ART&C Comunicação Integrada; Universitária FM; ABIH RN; OAB RN – Caixa de Assistência aos Advogados; Le Postiche; IndetFix; e Neutron.

Sobre Cleber Augusto

O compositor e violonista Cleber Augusto nasceu no Rio de Janeiro, foi criado em Ramos e é nacionalmente conhecido como a “Voz calada do samba”. Iniciou sua carreira na década de 70, influenciado, já em sua adolescência, por grandes músicos e artistas, como Manuel da Conceição, Baden Powel e João Bosco. Atraído então por ritmos genuinamente brasileiros, foi convidado a ser músico de uma dupla da Jovem Guarda, Leno e Lilian.

Foi um dos fundadores do movimento Cacique de Ramos e lá se lançou como compositor. Como integrante do grupo carioca Fundo de Quintal, participou de gravações de discos e apresentações em inúmeros shows, compondo vários sucessos, que hoje são cantados por ícones da música brasileira, como “A amizade”, “O show tem que continuar”, “Lucidez”, dentre muitos outros.

Sobre André da Mata

O cantor, compositor e instrumentista André da Mata, hoje radicado no Rio de Janeiro, nasceu em Natal e foi criado em Mossoró. Encantou-se desde muito cedo pelo samba de raiz e fez dele a sua vida. Idealizou e durante 10 anos esteve à frente do Grupo Musical Samba Nobre, que tinha como objetivo fortalecer o movimento do samba pelo Nordeste. Finalista do maior festival de compositores do Brasil em 2013, o São Paulo Exposamba, André da Mata escolheu o Rio de Janeiro como morada, em busca da realização dos seus sonhos.

No final de 2015 gravou seu primeiro CD, apresentando 14 faixas, sendo 13 canções autorais e em parcerias. O trabalho teve a participação de artistas reconhecidos no cenário carioca e nacional, como Ronaldinho “Fundo de Quintal”, Marcelinho Moreira, Mingo Silva, Moyseis Marques e Maria Menezes. André da Mata fez o lançamento do seu CD no Carioca da Gema, Rio de Janeiro, em 2016.

Serviço:

O quê? Tributo ao Fundo de Quintal do Ribeira Boêmia

Quando? Sábado, 25 de março de 2017, a partir das 18h.

Onde? Solar Bela Vista – Rua São Tomé – Centro Histórico de Natal (vizinho ao Senac Centro).

Quanto*? Ingressos antecipados a preços promocionais (meia entrada para todos) de R$20,00.

Vendas antecipadas de ingressos: Le Postiche (Midway Mall e Natal Shopping – 2º piso)

Contatos para entrevistas:

Laumir Barrêto – 84 99953-0417 Leonardo Galvão – 84 99634-7999

(*) As mesas serão disponibilizadas gratuitamente, em número limitado, por ordem de chegada no dia do evento.