Empresário industrial está mais otimista para 2021, diz presidente da CNI na entrevista ao Portal UOL

17/11/2020   14h26

O presidente da CNI, Robson Andrade, concedeu entrevista ao Portal UOL, veiculada nesta terça-feira (17/11), na qual respondeu sobre vários assuntos importantes para a economia, principalmente para o setor industrial, como taxa de câmbio, reforma tributária, o fim do auxílio emergencial previsto para dezembro deste ano, e a desoneração da folha de pagamento. Na entrevista, ele tratou dos desafios a serem enfrentados pela indústria e pelo país no pós-pandemia. O presidente da CNI disse ter expectativas positivas para uma retomada econômica no próximo ano.

 

 

“Quanto se compara outubro com janeiro, já houve uma equiparação em diversos setores e isso foi positivo, indica uma retomada. Vimos [no segundo semestre] discussões de reformas necessárias, principalmente a tributária e administrativa. Com isso o empresariado da indústria brasileira está vendo o ano de 2021 com mais otimismo. As expectativas otimistas aumentaram, cresceram, e o empresário industrial tem visto boas possibilidades para o próximo ano”, disse.

Confira abaixo outros pontos relevantes da entrevista:

 

Câmbio ideal para a indústria
“Eu acho esse câmbio que está aí, vamos dizer entre R$ 5,30 e R$ 5,50, talvez seja o câmbio normal, talvez seja o patamar adequado da moeda. Eu, francamente, não tenho expectativa do câmbio chegar R$ 4,95 nem chegar a R$ 6. Então, eu acho que nós estamos com o câmbio adequado. Eu acho que o sistema brasileiro, o câmbio livre, é um sistema adequado.”

 

Fim do auxílio emergencial
“Existe uma grande preocupação dos investidores, dos brasileiros com relação à questão fiscal, que o Brasil tem hoje um endividamento muito elevado. O que se espera para 2021 é de auxílio bem menor, talvez o Bolsa Família ampliado, outro nome, qualquer coisa desse tipo, então realmente existe em um fator de menos injeção de recursos na economia a partir de janeiro de 2021. Isso é preocupante.”

 

Aumentar a base de produção da indústria
“Uma coisa que foi importante nesse ano de 2020 foi que o Brasil inteiro e o mundo acabaram entendendo a importância de ter uma base produtiva mais ampla, porque você não pode ficar dependendo apenas de um fornecedor. Não podemos ficar dependendo apenas de um cliente. Temos que ampliar sua base de produção no Brasil. Claro que não dá para produzir tudo, mas a gente tem que aumentar nossa rede e essa sinalização de necessidade de aumento da capacidade industrial brasileira, foi muito importante.”

 

Reforma tributária
“A reforma tributária é fundamental para melhorar o ambiente de negócios e para ampliar a segurança jurídica. Os impostos no Brasil são injustos, burocráticos e complexos. A CNI defende o IVA (Imposto de Valor Agregado) nacional, mas entende as dificuldades políticas para a matéria avançar no Congresso.”

 

Desoneração não gera empregos
“O que gera emprego não é a desoneração da folha. O que gera emprego é o crescimento econômico, são os investimentos que vão gerar empregos. Já vínhamos com o desemprego alto. Se ocorrer a desoneração da folha hoje não teremos contratação porque não há demanda de mercado. Então, o que vai fazer com que haja mais empregos é o crescimento, os investimentos na infraestrutura, investimentos na produção, a possibilidade de acordos internacionais para que nós possamos exportar mais. Isso é que vai dar emprego. Por outro lado, não somos contra uma desoneração da folha”.

 

Link para assistir à entrevista na integra:
https://www.youtube.com/watch?v=99UQj8kGcWw&feature=youtu.be