Francisco Souto Filho é nomeado Presidente de Honra do SIESAL/RN

3/09/2020   13h42

A história de vida do industrial Francisco Ferreira Souto Filho, de 95 anos, e a evolução do setor salineiro do Rio Grande do Norte se agregam. Referência na indústria salineira potiguar, Soutinho, como é mais conhecido, deixa a presidência do Sindicato da Indústria da Extração do Sal no Estado do Rio Grande do Norte (SIESAL/RN) após 62 anos à frente da entidade. O reconhecimento à atuação do empresário foi dado com o título de presidente de honra do SIESAL/RN, homenagem prestada pela nova diretora, eleita no último dia 1º de setembro, que tem como presidente o industrial Airton Torres, empossado nesta quarta-feira (2) para o mandato 2020/2023.

 

 

O Sindicato do Sal iniciou suas atividades no ano de 1948 como Associação. Em 30 de Janeiro de 1953, com a denominação de Sindicato da Indústria da Extração do Sal no Estado do Rio Grande do Norte, teve seu Estatuto homologado e sua Carta de Reconhecimento Sindical expedida por ato do Ministro do Trabalho, na forma da Legislação Sindical vigente. A entidade teve como primeiro presidente Francisco Ferreira Souto Filho, que foi reconduzido ao cargo por mais de seis décadas, sempre por unanimidade, provando com isso a sua habilidade em liderar a categoria. Com uma gestão atuante, buscando sempre amparar e defender os legítimos interesses da categoria econômica, o SIESAL presta assistência junto aos Poderes Públicos, nas esferas Municipal e Estadual.

 

 

A atuação na atividade salineira já consome mais de 70 dos 95 anos de vida do empresário, que acompanha o desenvolvimento da atividade salineira no Rio Grande do Norte desde a época dos carrinhos de mãos passando por seu pioneirismo no processo de mecanização da extração de sal marinho no estado. Sempre bem disposto, empreendedor e participativo, até hoje, mais de sete décadas, desde que assumiu a F. Souto Indústria e Comércio de Sal – empresa localizada em Mossoró, que atua na extração, beneficiamento e comercialização de sal marinho – ele mantém a rotina de ir ao escritório e se envolve em atividades relacionadas ao setor. Como diretor da Federação das Indústrias do Rio Grande do Norte, participa de reuniões e eventos e, mesmo durante a pandemia, se adaptou as novas tecnologias para manter a agenda de compromissos, como a reunião mensal da diretoria que passou a ser realizada de forma online por meio de plataformas.

 

 

A defesa dos interesses da indústria salineira e sua liderança já renderam diversas homenagens a Francisco Souto, entre elas a Medalha do Mérito Industrial, mais alta comenda da indústria brasileira conferida pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). A Medalha é uma honraria concedida anualmente, desde 1972, a líderes da indústria de todo o Brasil.

 

 

A trajetória do empresário, natural de Areia Branca, que abriu mão da faculdade de Medicina para assumir as salinas, após a morte do seu pai, e fez a produção crescer e se modernizar é contada no livro “Trabalhar e viver o que puder”, publicado pela Sarau das Letras, e escrito por Edith Souto, sua esposa, e Jacques Cassiano.