Produção industrial potiguar volta a crescer em outubro, segundo Sondagem/FIERN

25/11/2019   15h02

A Sondagem das indústrias Extrativas e de Transformação do Rio Grande do Norte, elaborada pela FIERN, revela que a produção industrial potiguar cresceu em outubro, após registrar estabilidade no mês anterior. Acompanhando o desempenho positivo da produção, o nível médio de utilização da capacidade instalada (UCI) passou de 72% para 74%. Mesmo assim, a UCI foi considerada pelos empresários consultados como abaixo do padrão usual para o período, comportamento que se vem repetindo ininterruptamente desde agosto de 2018. O índice de evolução do número de empregados permaneceu abaixo dos 50 pontos, apontando queda do emprego industrial na comparação com o mês anterior, mantendo a tendência negativa que vem sendo observada desde outubro de 2017.

 

Quanto aos estoques de produtos finais, vale ressaltar que estes diminuíram, e ficaram abaixo do nível planejado pelo conjunto da indústria. Isto pode significar, por um lado, que ocorreu aumento da demanda por bens industriais acima das expectativas dos empresários, e por outro, que estes devem aumentar a produção para repor seus estoques. Com efeito, no que tange às expectativas para os próximos seis meses, os empresários encontram-se otimistas no que diz respeito à evolução da demanda e das compras de matérias-primas, porém preveem queda no número de empregados e na quantidade exportada dos produtos. A intenção de investimento, por sua vez, voltou a cair – queda de 2,8 pontos na comparação com outubro e de 1,2 pontos em relação a novembro de 2018.

 

Quando comparados os dois portes de empresa pesquisados, observam-se, em alguns aspectos, comportamento divergente, apesar do aumento generalizado do nível de produção. As pequenas indústrias apontaram estabilidade no número de empregado e os estoques de produtos finais ficaram abaixo do planejado.

 

As expectativas dos empresários são de aumento nas compras de matérias-primas e estabilidade nas exportações nos próximos seis meses. As médias e grandes empresas, por sua vez, assinalaram queda no pessoal ocupado e os estoques de produtos finais ficaram dentro do desejado. As perspectivas em relação aos próximos seis meses, são de estabilidade nas compras de insumos e queda na quantidade exportada dos produtos.

 

Confira a Sondagem das indústrias Extrativas e de Transformação do RN na íntegra: https://www.fiern.org.br/wp-content/uploads/2019/11/SONDIND_out19.pdf