SENAI e FAB firmam parceria para confecção de 3 mil máscaras de tecido

9/04/2020   16h24

 

 

O SENAI/RN firmou parceria com o Comando da Aeronáutica no Rio Grande do Norte para atuar em ações de enfrentamento a disseminação do COVD-19 no estado. O acordo, formalizado na última sexta-feira (3), prevê a realização de oficinas de confecção de máscaras de tecidos que serão disponibilizadas para a Força Aérea Brasileira (FAB) no RN e, o excedente da produção, para a sociedade em geral. A estimativa é que sejam feitas, num primeiro momento, 3 mil itens. O diretor regional do SENAI/RN, Emerson Batista, visitou a Base Aérea de Natal, na manhã desta quinta-feira (9), para acompanhar o início da capacitação.

 

 

Ele foi recebido pelo Comandante da Ala 10, Brigadeiro do Ar Marcelo Fornasiari Rivero, pelo Chefe do Grupamento de Apoio de Natal, Coronel Intendente Elésio Martins Ferreira, e pelo Chefe do Estado-Maior da Ala 10, Coronel Aviador André Fernando Albuquerque Bergo.

 

 

O SENAI irá disponibilizar a expertise e estrutura em qualificação profissional na área de confecções, com a designação de um instrutor e de unidade móvel de confecção, enquanto o Comando da Aeronáutica é responsável por insumos e mão de obra.

 

O trabalho é feito por voluntários, a maioria militares, servidores civis do Comando da Aeronáutica e seus dependentes. Mas há também pessoas sem vínculo com a FAB que se interessaram pelo projeto e resolveram ajudar.

 

Inicialmente, as máscaras seriam destinadas para parte do efetivo da Força Aérea Brasileira (FAB) no RN, que não está na linha de frente do combate ao novo coronavírus, mas que precisa continuar trabalhando para manter a operacionalidade das Unidades. Mas com o crescimento no número de voluntários e a aquisição de material, a produção aumentou. O Comandante da Ala 10 disponibilizou toda a estrutura montada (unidade móvel do SENAI e voluntários) para que o trabalho seja mantido e o excedente de máscaras fabricado possa ser destinado a outros setores da sociedade.

 

 

 

Por Sara Vasconcelos, jornalista Unicom/FIERN